segunda-feira, 28 de julho de 2014

carne grelhada em 9 minutos

A receita/dica de hoje eu aprendi com uma amiga da minha mãe. Ela cozinha maravilhosamente bem e passou uns dias aqui em casa em junho. Pela simplicidade, rapidez e praticidade (e sabor, claro), foi sucesso imediato aqui em casa. Já adotei e nunca mais (leia-se: há um mês) fiz bife de outro jeito. 
Pra quem mora na América do Norte, a carne que eu uso é a Top sirloin grilling steak/Bifteck de haut de surlonge à griller, comprada no Costco por $13.99/kg. Até agora, foi o melhor custo-benefício que encontrei, levando em conta a deliciosidade do bife. Ela vem cortada, mas os bifes são bem grossos, então divido-os no meio (eles ficam com aproximadamente 1,5 a 2 cm de espessura) e tiro o excesso de gordura. Como a bandeja é grande, congelo várias porções pequenas e vou tirando ao longo da semana/mês. 
Pra quem mora no Brasil, é só usar um corte de carne que você cozinharia numa frigideira, por exemplo. 
Um detalhe importante: a carne precisa estar descongelada. Se estiver congelada, demora mais tempo e corre o risco do interior ficar cru enquanto a parte de fora já está bem assada. 
Comece ligando o forno na opção broil/grill, ou seja, só vai funcionar a resistência que fica na parte de cima. Ela normalmente esquenta bem rápido, então basta preaquecer por uns 5-10 minutos. 
Depois, forre uma assadeira com papel alumínio (opcional, mas facilita na hora de lavar). Disponha os bifes na assadeira e tempere-os com sal e pimenta. Tudo certo, forno ligado, é só colocar a assadeira na grade superior e contar 5 minutos.
Passado o tempo, vire os bifes e volte a assadeira pro forno. 
Conte 4 minutos e tá pronto! Meu fogão tem um timer (só conta o tempo mesmo, não desliga o forno sozinho) e eu gosto de usá-lo nesses casos. Todo minuto é crucial pra carne não passar do ponto e ficar borrachuda. 

sexta-feira, 25 de julho de 2014

cansei de ser mato

agora quero ser florzinha. 


coentro

manjericão

orégano

Uma das melhores coisas que você pode ter na sua cozinha são ervas frescas. Não dá trabalho nenhum (só regar) e você tem sempre temperos cheirosos, frescos e deliciosos pra cozinhar. Além disso, se você mora só ou com outra pessoa, sabe bem o que é comprar um molho de coentro/salsa/cebolinha e ver mais da metade se estragar na geladeira (sim, você pode congelar também e assim evitar o desperdício, mas confesso que, aqui em casa, isso nunca deu certo, sabe-se lá porque.). 

Pra quem não é muito jardineiro, feito eu, dá pra comprar tudo pronto e crescido. Eu comprei esses no Atwater Market, por $8 cada 3 jarros. Saí de lá com: ciboulette (primo magrinho da cebolinha), hortelã, orégano, majericão, coentro e alecrim. E quero voltar pra comprar tomilho, salsinha e outro coentro, porque um só não dá conta não :)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

salada mexicana de feijão preto


Você, que leu o título da receita e se perguntou "que invenção é essa?", tenha calma que eu explico. 
Eu, brasileira, só comia feijão tradicional, ou seja, feijoada, feijão verde no arrumadinho, feijão mulatinho com caldo e etc. Feijão em salada? Estranho. Se fosse grão de bico ou lentilha, até entendo. Mas feijão? Ainda mais feijão preto? Não, nunca tinha visto. Mas aí, no primeiro ano da faculdade, nós temos dois cursos de cozinha. Cozinha mesmo. Com uniforme e avental e tudo. Cada aula tem um tema e a turma é dividida em duplas. Cada dupla tem seu cubículo, com fogão e utensílios, e uma receita para fazer. No final, experimentamos as receitas e discutimos os resultados. Tudo isso pra dizer que, no dia dos "grãos", eu e minha coéquipière ficamos responsável de fazer uma salada de feijão preto com limão, tomate, cebola, coentro e azeite. Quase que um feijão preto com vinagrete. Pois bem, provei e achei super interessante. Mas nunca repeti a receita depois. Até a semana passada. Nesse meio tempo, vendo receitas aqui e ali, vi outras variações, umas com milho, outras com abacate e por aí vai. 
Resumindo a história: semana passada, fui pra casa de uma amiga em cima da hora e não tinha muita coisa interessante pra levar pra comer não. Aí me dei conta que tinha todos os ingredientes pra fazer uma salada de feijão preto. Levei tudo o que tinha. O abacate ia ser, na verdade, um guacamole, mas mudei de ideia e resolvi colocar na salada também. 
Pois bem, esqueça o preconceito, abra o coração para novos sabores e teste essa receita. É leve, gostosa e perfeita pros dias quentes. Anotaí os ingredientes:

- 2 xícaras de feijão preto cozido, escorrido
- 1 lata de milho verde, escorrido e lavado 
- Suco de dois limões
- 1/3 de xícara de cebola picada (aproximadamente meia cebola)
- 1 e 1/2 tomates, picados em cubos
- 1 abacate, picado em cubos 
- molho de pimenta a gosto (eu usei 1 e 1/2 pimenta fresca, porque tenho uma pimenteira em casa)

O modo de preparo não poderia ser mais simples: misture o feijão e o milho num bowl. Pique a cebola, o tomate e o abacate e acrescente ao bowl. Esprema o suco do limão e misture tudo. Acrescente sal e o molho de pimenta (ou pimentas frescas!) de acordo com o seu paladar. 

P.S.: Daria para colocar umas ervas frescas aí tranquilamente, como coentro e cebolinha, mas eu não tinha nenhuma disponível. 

P.S.2: Voltando pra minha aula e pro dia dos "grãos"... Só por curiosidade, a professora perguntou quantas pessoas comiam leguminosas pelo menos uma vez por semana. Adivinha quem foi a única pessoa que levantou a mão num grupo de quase 30? Quando ela perguntou quem comia leguminosas uma vez por mês, 90% das mãos se levantaram. Passei bem uma semana refletindo sobre costumes alimentares e diferenças culturais. Até hoje, na verdade, eu me surpreendo quando alguém me fala que nunca (ou raramente) come feijão e afins. 

quarta-feira, 23 de julho de 2014

limonada de morango


Enquanto escrevo esse post, me dou conta que, esta semana, a maioria dos posts são versões diferentes de receitas conhecidas. Não sei se a frase está clara, mas o que eu quero dizer é que, mais uma vez, conheci aqui um "outro mundo" das limonadas. Pra mim, limonada é sinônimo de suco de limão (verde) com água. E açúcar, na maioria das vezes. Mas, nessa grande América do Norte, existe limonada de todo tipo e sabor. Claro que o limão continua sendo a base, mas a imaginação corre solta: tem melancia, pêssego, amora, framboesa e até manjericão e hortelã. 
Enfim, pra fazer a minha primeira limonada diferente, fui conservadora e escolhi morangos. 

Ingredientes:
- 1 xícara de morangos
- Suco de um limão (usei siciliano, que é mais suave que o taiti)
- 600 ml de água com gás (pode ser sem gás também, mas o gás dá um tchan!)
- Gelo
- Folhas de hortelã (opcional)
- Açúcar (opcional)

Bata no liquidificador (ou no mixer) os morangos com o suco de limão. Se preciso, coloque um pouco de água. Passe a mistura em uma peneira para tirar as sementes do morango (eu fiz isso para seguir à risca "a tradição", mas eu particularmente adoro as sementes de morango, então acho que não vou coar da próxima vez). 


Acrescente o resto da água e algumas folhas de hortelã picadas. Mexa bem. Coloque também umas (várias) pedras de gelo. E só. Rende aproximadamente 900 ml. 


P.S.: eu não esqueci do açúcar não! Você pode acrescentá-lo depois de peneirar o suco e misturar bem. Pra mim, uma a duas colheres de sopa é mais que suficiente (pros 900 ml). Nosso paladar, às vezes, está tão acostumado com o gosto doce que exageramos no açúcar e não dá nem pra sentir o gosto das frutas. 

P.S.2: se quiser uma limonada mais suave, coloque mais água. Aqui em casa, preferimos sucos mais encorpados, então economizei na água, mas a limonada tradicional seria mais aguada que essa.

P.S.3: eu ia escrever um longo parágrafo sobre como não é bom exagerar tomando sucos e bebidas doces, mas acho melhor falar disso com calma num post mais pra frente. Resumindo: não exagere no suco só porque ele é feito de fruta. Ainda assim, ele tem açúcar (o que a gente coloca E o das frutas) e é absorvido rapidinho rapidinho pelo nosso organismo. Na verdade, no dia a dia, é melhor trocar o suco pela água e deixar limonadas como essa pro café da manhã caprichado do fim de semana. 


terça-feira, 22 de julho de 2014

galinha guisada



Galinha guisada pra mim é isso aí: desmantelo. Total comfort food. É prato que você come na casa da sua vó, direto da panela ou de uma vasilha duralex
Por algum motivo estranho, eu achava que era complicado fazer galinha guisada. Sei lá. Achava que ia precisar de mil e um ingredientes, modo de preparo complicado e longo e blá blá blá. Até que, um belo dia, resolvi fazer e vi que não tem nenhum bicho de sete cabeças. Pelo contrário, é bem simples. 

Você vai precisar de:
- 700 g de sobrecoxa de frango (comprei desossada. é o equivalente a 7 sobrecoxas pequenas)
- 1 cebola
- 2 dentes de alho
- 1 colher de sopa de vinagre
- sal, pimenta, páprica 
- 3 tomates (usei tomates pelados) 
- 1 e 1/2 xícara de caldo de frango, de legumes ou água (se possível, vá de caldo caseiro. se não, escolha um com baixo teor de sódio. ou vá de água mesmo, que também dá certo. a quantidade de líquido pode ser maior ou menor, se você preferir mais ou menos molho)
- Coentro e cebolinha (não coloquei porque não tinha em casa, mas recomendo)

Tire o excesso de gordura da sobrecoxa. As que eu compro aqui costumam vir bem limpas, mas nem sempre é o caso. Corte o alho e a cebola e misture ao frango, junto com o vinagre e os temperos (eu usei também Mrs Dash, um tempero sem sal que é basicamente uma mistura de várias ervas secas). Deixe marinar por 1h na geladeira.


Passado o tempo, doure as sobrecoxas numa panela (não usei óleo nem nada, por isso fui de fogo médio e dourei levemente). 

Acrescente o caldo e os tomates picados e espere ferver (pode aumentar o fogo pra ir mais rápido). 
Ferveu, baixe o fogo (baixo-médio) e deixe a panela semi-tampada. 25 minutos, acrescente o coentro e a cebolinha e tá pronto! 

P.S.: às vezes eu coloco batata, mas normalmente faço sem. cenoura também dá certo! sempre acrescento depois do caldo e fico de olho no cozimento. 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

salada de frutas verdes


Bom, dá pra ver que eu não sou uma profissional da edição de vídeo, né? Mas acho que dá pro gasto. E vocês, acham o quê? Prestou? É uma boa ideia colocar uns vídeos aqui e ali? Ou é invenção? Claro que o objetivo é postar vídeos de receitas e não só da minha cara falando besteira. É que eu ainda preciso providenciar um tripé, por exemplo. Pra fazer esse vídeo aí, empilhei uns 6 livros em cima da cafeteira e apoiei a câmera :)

No mais, é isso. Blog novo, sendo velho. 
Mas o que foi que mudou no minicozinha, finalmente? 
Bom, um dos motivos desse longo hiato do blog foi a minha nova vida acadêmica, que ocupa quase todo o meu tempo "útil". Inventei de estudar nutrição aqui no Canadá e, agora, já estou na reta final do curso (bem, digamos que o fim está mais perto do que longe). Nesses quase três anos de Canadá (e de curso), minha visão sobre a alimentação mudou e isso vai, claro, se refletir nas novas receitas do minicozinha. Além disso, quero também trazer curiosidades sobre ingredientes pouco (ou menos) conhecidos, falar da alimentação canadense (e de outros países) e, como sempre, dar uns pitacos aqui e ali. 
Ah, vários posts antigos sumiram, mas eu vou colocá-los de novo por aqui, aos poucos, pra ficar tudo bem organizado. Se tem alguma receita que você está procurando e não encontrou, é só avisar!

Indo agora pro que interessa... a receita! 

Descobri há um tempo o mundo das saladas de frutas. Porque, pra mim, a vida toda, salada de frutas era sinônimo de "pegar todas as frutas da geladeira, cortar em cubos e tá pronto". Aí depois eu descobri as saladas de frutas tropicais, saladas de frutas amarelas, etc. A de hoje, a de frutas verdes, eu comi num projeto chamado Kiwi Club (coisa da faculdade, que eu explico com calma num post mais pra frente). Amei. No outro dia, fui no mercado comprar os ingredientes pra fazer em casa pro marido. Eu nunca peguei a receita original, então fiz de acordo com o que lembrava. Foi sucesso, viu? Espero que, quem fizer a receita, goste dela o tanto quanto eu gosto. É simples e fácil, mas o sabor surpreende. A receita original tinha um xarope doce (água + açúcar), mas, particularmente, eu acho desnecessário. Utilise, de preferência, frutas maduras, que serão doces. Só cuidado pra não pegar aquelas que já estão maduras demais e, consequentemente, moles. 

Ingredientes:
- 1 maçã verde (usei Granny Smith)
- 1 e 1/2 xícara uva verde (aqui, a uva é sempre sem caroço e doce doce doce)
- 3 kiwis
- 1/3 (ou aproximadamente 1 e 1/2 xícara já cortado) de um melão honeydew (não sei o nome dele em português. mas é esse aqui, ó. se não encontrar, acho que dá pra substituir por outro melão docinho)
- 1 limão (na verdade, são só algumas gotas. e pode ser limão siciliano!)
- 10 folhas hortelã (não é opcional. eu sou exagerada e colocaria mais facilmente, mas aí depende do gosto de cada um)

Comece cortando os kiwis, as uvas e o melão. O ideal é fazer pedaços de tamanhos uniformes. Eu costumo cortar a uva na metade e tentar fazer o kiwi e o melão do mesmo tamanho. No mundo belo e bem apresentado, usa-se um boleador pro melão. Fica lindo. Mas eu não tenho um, então cortei na faca mesmo. Coloque tudo num bowl/tigela/pote. 

Depois, corte a maçã e pingue algumas gotas de limão por cima. Acrescente ao bowl. 

Finalmente, é só picar as folhas de hortelã e acrescentá-las à salada. E misturar bem, claro. Idealmente, deixe a salada na geladeira por (pelo menos) 1h antes de servir. 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

minicozinha 2.0

minicozinha temporariamente fechado para reforma. posts novinhos em folha dia 21.07, mais conhecido como próxima segunda-feira.
até já :)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

acompanhamento vapt-vupt

A receita de hoje é do time das simples e práticas, além de ser gostosa (sempre!) e saudável (bônus!). Foi parte do almoço do sábado, quando o marido já acordou perguntando se eu topava almoçar a costelinha de porco que tínhamos comprado dia desses. 

Pra acompanhar a costelinha, fiquei pensando num acompanhamento mais leve. Lembrei dos vegetais que tinha na geladeira e, pronto, já sabia o que ia fazer. Fazia tento que eu queria testar fazer os vegetais assim. Eu sei, é simples e óbvio, mas eu nunca tinha feito. Vamos à receita, então?

- Azeite ou manteiga (ou ambos - quantidade vai depender do gosto, mas, quanto menos, melhor. eu errei um pouco na mão e exagerei. é só pra melar a frigideira mesmo)
- Cominho (opcional, mas tem gente aqui em casa que não vive sem, então ele sempre aparece nos nossos pratos)
- 1 cebola cortada grosseiramente (usei meia, porque era tudo o que tinha e foi pouco!)
- 3 dentes de alho picados
- 2 batatas cortadas em cubos
- 1 xícara de cenoura em rodelas (fui de baby carrot, a única que tinha por aqui)
- 1 xícara de brócolis (achei que foi pouco, colocaria mais tranquilamente)
- Salsinha desidratada a gosto (ou a erva que você preferir, fresca ou seca)

O mais importante da receita, eu acho, é encontrar uma frigideira ou panela grande o suficiente para caber todos os ingredientes de modo que você possa mexê-los tranquilamente, sem ficar com medo de que eles transbordem. Eu usei uma wok, a única de tamanho mais ou menos decente que tenho. 

Comece aquecendo o azeite/manteiga e acrescente o alho, o cominho a cebola e a batata. Mexa bem. Deixe cozinhar por 10 minutos, mexendo de vez em quando (a quantidade de óleo e o tipo de panela usada vão interferir significativamente na 'frequência das mexidas'. O importante é não deixar nada grudar. Mexer de vez em quando também ajuda os vegetais a cozinharem de maneira uniforme). 
Passados os dez minutos, é hora de acrescentar a cenoura.
Mais dez minutos, mexendo ocasionalmente, e já pode acrescentar o brócolis. Aí é só esperar mais 5-10 minutos (dependendo do tamanho dos floretes de brócolis e dos talos, se também forem acrescentados). 

Tudo cozido, é só ajustar o sal, pimenta e coroar com salsa desidrata (ou a erva que você preferir).  

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

smoothie de banana e amora


Não sei vocês, mas eu adoro essa moda de smoothie. Ou seria vitamina de banana metida a besta? Tipo cupcake e bolo de macia. Se bem que nem todos levam banana na receita, né? Mas acho que a maioria leva sim. Pois bem, eu amo vitamina de banana e tomava quase todo dia religiosamente até os 21 anos. Aí eu passei um tempo sem tomar e perdi o hábito. Mas continuo amando rs.

Vamos aos ingredientes?
- 2 bananas
- 10 amoras
- 1 xícara de leite
- 1 colher de sopa de açúcar
- 1 colher de sopa de linhaça
- 2 colheres de sopa de aveia

Pois bem, é só bater tudo no liquidificador/mixer e ser feliz. 
E, não, a linhaça e a aveia não são opcionais. 
Rende 600-700ml. 




quarta-feira, 31 de outubro de 2012

halloween

Uma amiga fez aniversário agora em outubro e resolveu comemorar no melhor estilo halloween. Ficou lindo, né? Eu achei. Halloween aqui é super divertido e, para os jovens, é quase como um dia de carnaval brasileiro. Sábado passado, as pessoas estavam LOUCAS. Moro no centro e acompanhei parte da movimentação da varanda (porque, claro, enquanto todo mundo se divertia, eu estava em casa estudando e fazendo um trabalho). Todo mundo fantasiado, gente gritando e coisas do tipo. Tinha um grupinho em outra varanda do meu prédio chamando a atenção do povo na rua. Olhe, eu ri. Bem carnaval mesmo. Fui dormi às duas da manhã e ainda ouvia o povo passando lá embaixo.
Domingo virou quarta-feira de cinzas: tudo bem calminho. Mas vamo deixar de enrolação e passar logo para as fotos, né?







segunda-feira, 29 de outubro de 2012

maionese de wasabi

Sabe quando alguém te apresenta uma receita e você gosta tanto, tanto, que fica maravilhada e passa dias pensando nela? Pois é, foi o caso aqui. E é tudo tão simples que você fica se perguntando 'como é que eu não tinha pensando nisso antes?'

Acho que não é nem uma receita de verdade, né. É mais uma dica. Mas, enfim, vamos ao que interessa: maionese + wasabi + limão = dip divino que acompanha mil e um pratos e petiscos rs. 
Na internet, existem milhões de variações para esse molho. Aqui em casa, a gente faz assim: 
- 1/2 xícara de maionese
- 2 colheres de sopa de wasabi
- 2 colheres de sopa de suco de limão

Para quem for fazer pela primeira vez, eu recomendo colocar a quantidade de maionese desejada e, aos poucos, ir acrescentando o wasabi e o limão. Experimenta e, se for o caso, coloca mais. 
Tudo pronto, é só aproveitar essa delícia em inúmeras preparações. Eu gosto de colocar por cima do salmão grelhado ou usar como dip pro camarão de petisco. No dia que o 'conheci', ele serviu de dip para aipo, brócolis, cenoura e couve flor - fica lindo também.  

domingo, 28 de outubro de 2012

manifesto contra o bolo de caixinha

aí eu prometi a mim mesma que eu só voltaria a escrever aqui quando eu já tivesse alguns posts mais ou menos organizados. porque aparecer uma vez a cada seis meses não dá, né? então, podem considerar isso aqui a volta oficial do minicozinha. sem posts diários, claro, mas eles serão frequentes,  prometo. e, dessa vez, a promessa vai ser cumprida rs. só tem um detalhe importante: as fotos dos próximos dez (?) posts deixarão a desejar, certo? todas tiradas no celular, às vezes, nas pressas. mas a câmera já saiu da gaveta e o negócio vai melhorar em breve. 

voltando ao assunto do post, como o título já deixa claro, isso é um manifesto contra o bolo de caixinha. porque não, eu não entendo quem faz bolo de caixinha. pode ser prático, fácil, rápido, o escambau. é ruim. tem gosto artificial de baunilha muito forte, além do limite aceitável. e, bem, tem tanta receita prática, fácil e rápida de bolo de verdade por aí, que vale a pena gastar mais 5 minutos e ter um bolo muito mais gostoso. 

antes que alguém diga que 'ah, mas eu sou péssima na cozinha e erro/queimo tudo', eu aviso logo que não sou expert em bolos e já fiz vários que terminaram lindamente solados. pra combater a frustração, comecei a procurar receitas fáceis, sem claras em neve (por favor! ahhaha) e sem muita burocracia. encontrei várias e fui feliz para sempre com os meus bolos. e olhe que aqui o meu forno nem vidro tem, é só uma porta branca, então eu realmente tenho que confiar no tempo da receita e abrir torcendo que esteja pronto, não dá nem pra dar uma espiada!

o bolo de chocolate de hoje veio do tudo gostoso. marido, de vez em quando, tem uns desejos loucos e aí lá vou eu pra cozinha. fiz algumas adaptações na receita e ficou assim:
Ingredientes:
- 3 ovos
- 1 e 3/4 xícara de açúcar
- 2 xícaras de farinha de trigo
- 1/2 xícara de cacau em pó
- 1/2 xícara de óleo
- 1 colher de sopa de fermento químico em pó
- 1 pitada de sal
- 1 xícara de água quente


Enquanto você separa os ingredientes, pré-aqueça o forno (190 graus).
Bata todos os ingredientes (exceto a água e o fermento) no liquidificador. Depois, acrescente a água quente e bata novamente (eu, que não tenho liquidificador, fiz assim: misturei tudo num bowl, com ajuda de uma colher e, depois, acrescentei a água e bati com o mixer). 
Por último, acrescente o fermento e aperte o 'pulsar' só pra misturá-lo à massa (ou mexa com uma colher). 
Aqui em casa, eu distribui a massa em duas assadeiras redondas (20cm de diâmetro) e levei ao forno por 30 minutos. O velho e conhecido teste do palito avisa que o bolo está pronto. Se você usar uma só forma, sugiro deixar no forno por 40 minutos, que é o tempo 'oficial' da receita do tudogostoso


Pra cobertura e pro recheio, fiz um brigadeiro tradicional com creme de leite. 
Ingredientes:
- 1 lata de leite condensado
- 1/2 xícara de creme de leite
- 1 colher de sopa de manteiga
- 2 colheres de sopa de cacau em pó (pode ser chocolate em pó, achocolatado, o que você preferir. aqui em casa, só tem cacau e fica tudo lindo e com um gosto pronunciado de chocolate. recomendo muitíssimo). 

Acho que nem precisa explicar o modo de fazer, né? É só colocar tudo na panela, FOGO BAIXO, e ir mexendo até engrossar (lembrando que é pra ficar mais mole que o ponto 'tradicional' de brigadeiro, né?). 
Tudo pronto, fiz o seguinte: como o bolo cresce e fica com uma elevação, eu cortei o 'montinho' (com uma faca de pão) pra ele ficar reto, coloquei uma parte do brigadeiro e coroei com o outro bolo. Mais brigadeiro na cobertura e, pronto, taí um delicioso bolo de chocolate de duas camadas (mesmo que não dê para distingui-las nas fotos, eram duas camadas, prometo rs). 

Pra quem se empolgar e resolver largar o mundo do bolo de caixinha e se aventurar, esse blog tem umas receitas de brownies ridiculamente fáceis (aqui e aqui) e mais duas de bolo (aqui e aqui). 

terça-feira, 27 de março de 2012

poutine


Poutine é a 'comida' mais típica do Québec. É o madrugão do jovem québécois, o mata-larica oficial. Tem em quase todos os fast-foods de Montreal, inclusive nas grandes redes, tipo McDonald's e afins. 

Poutine é batata frita de espessura média, coberta com queijo (primo do queijo coalho) e coroada com molho escuro de carne bem quente que derrete o queijo de leve. Existem mil e uma variações e coberturas possíveis, mas essa é a clássica. Olhando assim, nem parece tão interessante, né? Mas é boa, viu? Recomendo demais. Vir pra Montreal e não comer poutine é ir em Recife e não comer tapioca. Pecado. 

Confesso que demorei quase seis meses pra me aventurar no mundo da poutine, mas finalmente  experimentei a delícia. Agora, se prepare para sair transpirando óleo por todos os seus poros. Nós comemos essa no La Banquise, o 'restaurante' mais famoso de poutine daqui. Fica aberto 24h e vive cheio. Aqui, dá pra dar uma olhadinha no cardápio e nas inúmeras opções. 

Quem vier passear aqui em Montreal (alguém? alguém?) pode ir separando uns dólares e umas calorias pra devorar uma típica poutine québécoise.


sexta-feira, 9 de março de 2012

Camarão ao molho de maracujá


Por Ana Luísa Freitas
Tanto Lisa quanto eu estamos devendo postagens desde o dia 24, mas é que tudo anda mesmo muito corrido para todas duas. E é por tudo ainda estar bem corrido que o post de hoje não tem exatamente receitas, mas uma sugestão de almoço/jantar bem delícia! :)
Há muito tempo tenho vontade de fazer um molho de maracujá para colocar sobre um lindo filé de salmão, sabe!? E é o que eu teria feito ontem, se o meu namorado não tivesse me dito: “Mas Lisa não postou um salmão recentemente?”. Ele não fez por mal, nem eu fiquei chateada, mas acabei perdendo a vibe do salmão e pulei pro camarão (o que também não foi má ideia!).
Como minha irmã casou semana passada, ainda há vários queijos na geladeira urrando na geladeira “por favor, me comam!!”. E foi assim que eu decidi o jantar de ontem: uma massa curta ao molho de queijo e um camarãozinho ao molho de maracujá.
E foi assim:

Massa + Molho
Cozinhei a massa em ponto al dente
Escolhi a massa “Búzios” da Vitarella, mas pode ser qualquer uma.
Para o molho, derreti uma colher (sopa) de manteiga numa panela e refoguei um talo de alho poró. Quando o alho poró estava devidamente refogado, acrescentei 1 caixinha de creme de leite e gorgonzola esfarelado, para que derretesse e fizesse um molho homogêneo. O sabor do gorgonzola tinha ficado um pouco forte e o molho estava meio ralo, então eu adicionei ½ copo de leite com 1 colher (café) de amido de milho, tanto para engrossar quanto para suavizar o sabor do molho.   Depois disso, foi só jogar sobre a massa e polvilhar pimenta do reino moída para ser feliz com ela.

Camarão + Molho de maracujá
Camarão é uma coisa relativamente misteriosa, porque, se a pessoa não fizer direito, ele fica super borrachudo. Para não ter erro, quando o dinheiro dá, eu compro logo um pacote da Netuno, que já vem cozido, descascado e sem cabeça. Quando o dinheiro não dá, o segredo é ferver bastante água com sal em uma panela e, quando a água levantar fervura, colocar os camarões e contar exatamente 1 minuto, só pra dar um sustinho nele. Aí é só retirar e escorrer.
Mas ontem o que eu fiz foi o seguinte: como os camarões já eram cozidos, dei apenas uma selada na manteiga e, logo em seguida, no azeite, pra ele ganhar um saborzinho. Acertei o sal e pronto. Só jogar o molho de maracujá por cima e sorrir de alegria! :)
Para o molho, eu não saberei precisar as quantidades, mas não tem mistério e foi mais ou menos assim: à panela, levei polpa de 1 maracujá grande, com semente mesmo, açúcar, 50ml de água e 2 colheres (sopa) de vinho branco. O vinho branco pode ser descartado, se você não tiver em casa. Aí foi só misturar tudo e deixar cozinhar em fogo baixo, mexendo de vez em quando, até engrossar e ganhar a consistência de calda/geleia. :)

*Quem precisar de quantidades bem determinadas, pode procurar na Internet pela receita de redução de maracujá, ok?

**A sobremesa hoje eu vou ficar devendo, porque, como eu disse mais em cima, minha irmã casou semana passada e a última coisa que queremos ver aqui em casa são bolos e/ou doces. :(

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...